15 de janeiro de 2016

15/01/2016

O último post do blog foi em 2015, estou viajando e sem tempo para fazer os posts que estão montados na minha cabeça, então pensei: estaria muito tarde pra fazer um post de início de ano? Cheguei à conclusão que sim.

Mas como eu não trabalho com regras, estou fazendo mesmo assim.



É até engraçado de pensar que em duas semanas todo aquele clima de fim de ano/começo de ano já se esvaiu.

Na verdade todo o ano é a mesma coisa, tem até aquelas frases clichês do tipo "ano novo, vida nova". Gente, qual o a relação entre a Terra completar seu movimento de translação e passar a existir uma "vida nova" pra você? Nenhuma.

Para você ter uma vida nova, quem tem que mudar é você, e não o ano. Mas na verdade, eu não sei por que tanto desejo de ter uma vida nova. Eu acho que o começo de ano é um fator que cria grande expectativa e até uma certa ilusão: "esse ano eu só vou estudar";[principalmente pra quem está no terceiro ano agora, desencana, isso não vai acontecer] "espero que nesse ano eu deixe de ser trouxa"; "espero que supere ano que vem", etc.

O que eu quero pra esse ano e desejo pra todos vocês é que vocês saíam melhor do que entraram. Por que existirão momentos ruins com certeza, que exista paciência e sabedoria para lidar nas horas de raiva, cansaço e estresse. E que exista sabedoria, também, para saber aproveitar a felicidade nas pequenas coisas, e dar valor ao que realmente importa [e perceber o que realmente importa pra você]

Deixo agora, um trecho de "Receita de ano novo", do gênio Carlos Drummond de Andrade:

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.


Um beijo e um desejo de feliz 2016 da blogueira mais atrasada desse site.

Nenhum comentário:

Postar um comentário