22 de junho de 2015

Sobre a morte

Esse texto é um pouco "mais pesado" do que os que eu já postei, mas espero que possam refletir.

Você já ouviu alguma história sobre a morte de alguém? Mesmo sabendo o final da história - alguém morre -  eu sempre espero um outro desfecho. A esperança da vida permanece.

Recentemente, uma pessoa próxima aos meus pais morreu. Minha mãe contou que ela trabalhou o dia inteiro, e quando chegou em casa sentiu uma agonia - era o começo do infarto. Nesse instante, imaginei-a, inocente, pensando que provavelmente, aquilo passaria. Mas não passou. Pensei: "E se ela tivesse ido ao hospital alguns minutos mais cedo?" Mas ela não foi. Na minha cabeça rondavam vários "E se?"

Ela ainda chegou no hospital andando e falando, só se sentia agoniada, mas em questão de horas, veio a falecer. Como não deixar de pensar que foi por pouco? Que não era pra ter acontecido, que poderia ter sido evitado? Querer até mesmo culpar alguém.

Eu não era próxima dela, fazia anos que eu não a via. Mas percebi que todos esses sentimentos demonstram como a morte é algo que não vemos com naturalidade, capaz de causar uma imensa inquietude. Perceber que, para falar sobre o aspecto físico, o pronome "ele" ou e"ela" deixou de ser usado, agora o "certo" é "o corpo". Ele (a) não é mais, foi. Tudo isso me causa arrepios e uma sensação melancólica. A impressão que dá é que passamos a ser nada. 

Daí a importância de ser, e não ter. De deixar alguma marquinha aqui, por menor que seja. E principalmente, VIVER enquanto vivo. O relógio tá mostrando as horas passarem, nosso tempo esgotando e (parece que) não estamos cientes disso.

Não é irônico a única certeza da vida ser a morte? Mas mais irônico que isso, é não estar ciente de uma certeza.


Ane Cristina.

2 comentários:

  1. Ane, a morte é algo que me apavora. Principalmente qdo penso que ela levará pessoas queridas. Como vc disse " a única certeza da vida é a morte ". Mesmo sabendo disso não consigo encará-la com naturalidade. Parabéns pelo texto. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a maioria das pessoas não consegue encarar com naturalidade, é a coisa mais intrigante que existe! Muito obrigada <3 bjo

      Excluir